Profissionais da saúde são capacitados para atendimento às vítimas de violência sexual

Profissionais da saúde são capacitados para atendimento às vítimas de violência sexual

Durante dois dias, profissionais da assistência à saúde do Hospital Materno Infantil Tia Dedé e dos 13 municípios da Região de Saúde Amor Perfeito e Dianópolis, além de conselheiros tutelares e profissionais responsáveis pelo atendimento à pessoa em situação de violência sexual nos órgãos da rede de proteção de Porto Nacional, participam da primeira capacitação promovida pelo Serviço de Atenção às Vítimas de Violência Sexual (Savis) do Tia Dedé.

O objetivo, segundo a diretora-geral da maternidade, Edith Aires, é “capacitar os profissionais da assistência à saúde e os administrativos com conhecimentos e habilidades necessárias a fim de melhorar a qualidade no atendimento às pessoas em situação de violência sexual, evitando a revitimização de acordo com os protocolos do Ministério da Saúde e do Savis”.

O Hospital Tia Dedé é referência no atendimento às pessoas em situação de violência sexual para toda a regional Amor Perfeito, que contempla 13 municípios. No ano passado, o Savis atendeu 50 novos casos e outras 94 pessoas já estavam sendo acompanhadas pela equipe multiprofissional, que é composta por assistente social, psicólogo, médico, enfermeiro e farmacêutico. “As vítimas são acompanhadas por, no mínimo, 6 meses, quando são realizadas avaliações periódicas com toda a equipe multiprofissional e exames clínicos necessários. Algumas são acolhidas nos municípios que fazem parte da regional e encaminhadas para o Savis do Tia Dedé, que presta o serviço de profilaxia antirretroviral que é prioritário e deve acontecer em, no máximo, até 72 horas para prevenir infecções sexualmente transmissíveis”, informou a diretora.

Ainda segundo Edith, “o Savis promove atenção integral e integrada às pessoas, de forma humanizada e segura, evitando a revitimização, de acordo com os protocolos do Ministério da Saúde e do próprio serviço. O público-alvo é composto por pessoas de ambos os sexos e de todas as faixas etárias em situação de violência sexual”, destacou.

Atuante em Silvanópolis, a conselheira tutelar Darcilene Tibúcio considerou a capacitação muito produtiva. “Tivemos um bom aprendizado, com palestrantes que tiraram nossas dúvidas e iremos aproveitar 100% do que vimos aqui no dia a dia do nosso trabalho. Agradecemos pelo convite para participarmos”, afirmou.

Violência sexual

A violência sexual pode dar origem a uma série de graves danos físicos que exigem intervenção imediata, como lesões, infecções, gravidez indesejada e os riscos de contágio de doenças sexualmente transmissíveis, como a AIDS. Grande parte dos casos dessa agressão resulta em dificuldades psicológicas marcantes, como depressão, ideias suicidas, vergonha, medo e culpa. A assistência às pessoas em situação de violência sexual exige um cuidado especial, já que elas chegam ao hospital bastante fragilizadas.

Qualquer pessoa que se encontre em situação de violência sexual pode procurar o Hospital Tia Dedé para receber atendimento médico e psicológico, onde é feito todo o acompanhamento com a medicação necessária para evitar doenças sexualmente transmissíveis (AIDS, gonorreia, sífilis), além de uma possível gravidez.

Uma das ministradoras do curso e coordenadora do Savis da maternidade, Rossana da Silva Boni, disse que a capacitação é necessária e de grande importância “no intuito de formar profissionais humanizados, motivados, sensibilizados, munidos de conhecimento e habilidades a fim de melhorar a qualidade e a eficiência do acolhimento das pessoas em situação de violência sexual”, disse.

Dentre os assuntos abordados estão a tipologia de violência, sinais e impactos de violência na saúde, atribuições do Instituto Médico Legal (IML) e conselho tutelar, protocolo de atendimento do Savis do Tia Dedé e Estatística, atribuições da equipe multiprofissional, estupro vulnerável, kit retroviral para evitar Infecções Sexualmente Transmissíveis.

SECOM/TO

Rádios online